Reflexões… :: Criminalização do aborto

17 de Agosto, 2018
Um hipopótamo num campo de flores.
Aborto

O segundo assunto que vem me incomodando é o desrespeito com a vida que representa a criminalização do aborto.

Há basicamente duas falácias usadas contra a legalização do aborto: 1️⃣ ser a favor da legalização é ser a favor do aborto; 2️⃣ a maioria dos abortos é espontâneo, não justificando a legalização.

Ser a favor da legalização é ser a favor do aborto?

Resposta curta: NÃO

Sendo o aborto criminalizado, as mulheres que pretendem abortar vão abortar ilegalmente.

Se o aborto for legalizado, as mulheres procurarão meios legais para abortar. Consequentemente os procedimenos serão fiscalizados:

  • Permitindo mais dignidade para essas mulheres.
  • Permitindo que sejam coletados dados oficiais sobre o comportamento de quem aborta, o que nos levaria a um entendimento maior dos casos, permitindo assim melhores políticas de combate ao aborto.
  • Permitindo oferecer a essas mulheres acompanhamento psicológico, inclusive para tentar dissuadi-las da ideia (quando fizer sentido).
  • Permitindo diminuir gastos com saúde pública no atendimento de emergências das consequências de abortos ilegais.

No mais, há uma sensação de que o número de abordos cai onde são legalizados, mas pode ser uma falsa relação devido a países mais desenvolvidos legalizarem o aborto – talvez o índice de desenvolvimento seja o fator determinante.

Por exemplo, em Portugal o número de abortos caiu após a legalização.

Há alguns artigos na Web alegando que a legalização aumenta o número de aborto, porém um pouco de inteligência invalida cada um deles: são todos sites conservadores ou ligados a grupos conservadores; não trazem dados reais ou restringem-se ao primeiro ano da legalização, não acompanhando a evolução nos anos seguintes.

Assim sendo, atendo-se aos fatos, na pior das hipóteses o número de abortos não muda com a legalização, mas resolve todos os demais problemas associados, enquanto a proibição não diminui o número de abortos como alegado por aqueles que não querem pensar fora de suas caixinhas, apenas empurra para a ilegalidade mulheres que já se encontram psicologicamente fragilizadas.

A maioria dos abortos é espontâneo

Há uma tremenda desonestidade intelectual em usar este argumento para criminalizar o aborto.

Não faz o menor sentido colocar na mesma estatística abortos espontâneos e induzidos porque uma coisa não interfere na outra.

Eu tenho a sensação que você gostaria que eu falasse mais sobre essa relação, mas não há o que falar porque ela não existe.

O que eu posso fazer é, toda vez que algum charlatão mau-caráter falar em aborto espontâneo, explicar que alhos não têm nada a ver com bugalhos.

Aborto | Educação e Cultura | Política