Reflexões… :: Resenha de Marvel’s The Punisher

27 de Novembro, 2017
Como um hipopótamo lida com um campo de flores.
The Punisher

Terminei de assistir ontem a série Marvel’s The Punisher no Netflix. A primeira coisa que gostaria de comentar é que nunca fui muito fã do Justiceiro, não gosto da proposta de vigilantismo e sempre achei um personagem fraco frente a outros da Marvel.

Dito isso, sigo para minhas impressões da série.

ALERTA: SPOILERS‼️

A primeira coisa que me cativou na série, fazendo-a merecer minhas três estrelinhas, foi ter apresentados personagens “cinzentos”: ninguém no começo da série é totalmente bom ou mal, todos apresentam nuances de personalidade. Frank Castle, o Justiceiro, sofre de uma psicose muito clara e é atormentado pela morte de sua família e pelos crimes que cometeu no passado. Só vê alívio para sua dor em situações de extrema violência, e a única cura seria sua própria morte, que ele busca durante a série.

Com exceção de Curtis Hoyle, todos os outros personagens são cinzentos.

Mas isso se perde ao longo da série: gradualmente os mocinhos vão perdendo suas características ruins e aquelas com as quais nos identificamos vão sendo acentuadas, enquanto os vilões vão ficando cada vez mais vis, perdendo os ganchos de empatia. Isso deixa a série muito chato do meio para o fim.

Uma coisa desnecessária na série é o filler secundário de Lewis Wilson. Nesse conto, a série nos conduz a crer que quem defende o desarmamento da população é covarde e vil, que armas são coisas boas. Creio que essa parte sem qualquer contexto com a história principal – os ganchos são forçados e desnecessários – seja porque o público principal da franquia seja majoritariamente de psicopatas que só se sentem seguros quando armados.

O final também é muito fraco: a série termina com um “final feliz”, onde todos os mocinhos terminam bem e todos os vilões recebem “o que merecem”, quando o fluxo da história claramente conduzia a um final não tão feliz, porém muito mais elegante e refinado. No entanto, o público alvo da série não teria inteligência emocial para apreciá-lo.

Em resumo: a série é boa, vale a pena, mas ainda fica aquém de outras séries da Marvel no Netflix, como Luke Cage, Jessica Jones e mesmo a fraca Iron Fist.

TV e Cinema