Reflexões… :: Sobre o maniqueísmo

2 de Dezembro, 2016
Como um hipopótamo lida com um campo de flores.
ܡܐܢܝ ܚܝܐ

Manes foi um famoso profeta masdeísta do século III. Ele criou um sistema filosófico-religioso completamente baseado na ideia de uma luta entre o Bem e o Mal.

Sua teoria de mundo reduzia a realidade a um simplório dualismo onde de um lado estariam todas as pessoas e coisas boas servindo a Deus, e de outro todas as pessoas e coisas más servindo ao Diabo.

Em sua época Manes viajou por toda sua região pregando sua filosofia, identificando nos sutras sagrados elementos de dualismo e assim convencendo os líderes religiosos de suas teorias.

Desta forma ele conseguiu corromper com sua visão limitante de mundo as três maiores religiões de seu tempo: o Cristianismo, o Judaísmo e o Masdeísmo.

Séculos mais tarde o Islamismo também nasceu intoxicado pelas ideias maniqueístas.

Maniqueísmo

Dada essa pequena introdução histórica, podemos seguir com uma explicação mais didática sobre o que é o maniqueísmo.

As pessoas têm usado nas redes sociais o maniqueísmo como uma ofensa contra aqueles que discordam de suas ideias (basta você discordar de alguma coisas pra ouvir/ler um “seu maniqueístas”), sem entender o real sentido da palavra – e geralmente aquele que acusa os outros de maniqueísmo é o verdadeiro maniqueísta.

Primeiro, o que não é maniqueísmo:

  • Maniqueísmo não é o conceito de certo e errado em si.
  • Maniqueísmo não é ser contra ou a favor a alguma coisa.
  • Maniqueísmo não é discordar de você.

Mas há relações.

Moral é o sistema de conceitos que definem o que é certo e o que é errado. A moral é contextual, indissociável de local e época.

Moral é um sistema necessário para a saúde e o bom funcionamento de qualquer sociedade, porém precisa ser questionada, debatida e revisada constantemente, caso contrário se torna obsoleta e injusta.

Em relação à moral, o maniqueísmo consiste em definir certo e errado em relação a grupos.

Eu explico melhor.

No maniqueísmo há duas forças conflitantes: o Bem e o Mal. O que não está do lado do Bem, está necessariamente do lado do Mal.

O Bem é um grupo fechado: para você participar, você precisa concordar sem questionamentos com tudo o que faz parte desse conjunto.

Para o maniqueísmo tudo o que vem do Bem é certo e tudo o que provém do Mal é errado. Se uma mesma ideia, ação ou comportamento vem do Bem e do Mal, ela está certa quando vem do Bem e errada quando vem do Mal.

Por exemplo: matar cristãos é errado, mas cristãos matarem muçulmanos está certo, já que os cristãos são o Bem (do ponto de vista dos cristãos, óbvio) e os muçulmanos, por não serem cristãos, são o Mal.

Da mesma forma que uma mesma atitude pode ser certa e errada dependendo apenas de quem a pratica, atitudes conflitantes podem estar igualmente certas ou erradas também em relação ao lado que as pratica.

Matar é pecado, mas bandido bom é bandido morto, já que “bandido” faz parte do Mal.

Homossexual tem de queimar no inferno, mas Fidel Castro era um monstro porque era homofóbico.

Já é possível perceber como se desenha a contradição e inconsistência dessa filosofia?

No aborto

Estou escrevendo este artigo por causa dessa polêmica sobre o aborto [leia a porra do artigo antes de me procurar encher meu saco]. Vou dizer como o maniqueísmo se aplica a esse caso.

Acusaram-me de maniqueísmo por me posicionar contra a criminalização [não vou ficar me repetindo aqui]. Segundo a pessoa que me acusou, qualquer posição a favor ou contra é maniqueísmo. Ledo engano: como eu disse acima, maniqueísmo não é ser a favor ou contra.

Maniqueísmo é tomar uma das seguintes posições:

  • O aborto é ruim. Portanto, tudo o que é contra o aborto é do Bem, mesmo que seja marginalizar as mulheres e tirar-lhes o direito sobre seu próprio corpo, afinal, não importa se faz mal a alguém, se é do Bem é bom. Se você questionar isso, você é do Mal.
  • O aborto é bom. Portanto, tudo o que é a favor do aborto é do Bem, mesmo que seja incentivar as mulheres a abortarem à torta e à direita. Se você questionar isso, você é do Mal.

Sincertamente ainda não vi uma única pessoa assumindo a segunda opção, citei apenas ilustrativamente. Já quanto à primeira, está cheio de gente “do Bem” por aí que não admite que se questione a criminalização do aborto ou que sejam sugeridas políticas de conscientização, apoio e saúde pública. Em sua visão dualista de mundo, se alguém levantar qualquer questionamento quanto à forma repressora e cruel como se lida atualmente com o aborto, essa pessoa é do Mal, é um abortista – implícito fica: bandido assassino de criancinhas, defensor de gayzistas, feminazi, comunista sem vergonha. Eu fui chamado de “abortífero”.

Não seja maniqueísta

O mundo não é preto no branco, dividido entre o Bem e o Mal. Um grupo de pessoas que tem ideias bacanas pode ter (e certamente tem) ideias nefastas, e aquele inimigo que quer trazer o Armagedon à Terra pode não ser tão mau quanto você pensa.

Educação e Cultura | Religião