Reflexões… :: Modos gregos

16 de Junho, 2016
Como um hipopótamo lida com um campo de flores.
Schecter C-8 Deluxe

Ouve-se muito falar em escalas Ionian, Dorian, Phrygian, Lydian, Mixolydian, Aeolian e Locrian, mas o que são?

Não passam de um jeito pedante (inglês) e complicado de se referir aos modos gregos da escala diatônica.

A escala diatônica é a escala de sete graus mais comum nas músicas ocidental e árabe. Por possuir sete graus, há sete formas diferentes de se executá-la, tratando cada um dos sete graus como tom de descanso.

Essas sete formas de execução (de acordo com o grau de descanso) são chamadas modos gregos.

Cada modo grego recebeu seu nome de acordo com a região da Grécia – na verdade da Turquia, na época Anatólia – em que era preferido.

Modo jônico

Ionian

O modo jônico, preferido na Jônia, região litorânea oeste central da Turquia, é o modo grego mais famoso e usado, um dos três modos maiores, muitas vezes chamado simplesmente de escala diatônica maior. É chamado na escola árabe de Maqam Ajam.

A escala consiste em todos os intervalos justos ou maiores:

TomⅠJⅡMⅢMⅣJⅤJⅥMⅦM
Dó maiormisolsi
Fá maiorsolsimi
Sol maiorsolsimi
Lá maiorsidomisol

Outra forma de encarar a escala é através de seus intervalos – que é como a escola árabe trata. O Maqam Rast consiste em dois tetracordes idênticos sobrepostos, separados por um tom, cada um consistindo em tom, tom, semitom: dó (T) ré (T) mi (½) fá + sol (T) lá (T) si (½) dó.

Modo lídio

Lydian

Esse é o modo preferido na Frígia, no centro da Ásia Menor, também um modo maior. Talvez seja o menos considerado dos modos clássicos devido à presença do trítonoDiabŏlus in Musĭca.

É o equivalente ao modo jônico executado a partir do quarto grau. Possui todos os intervalos justos ou maiores, exceto a subdominante, que é aumentada:

TomⅠJⅡMⅢMⅣ+ⅤJⅥMⅦM
Dó maiormisolsi
Fá maiorsolsimi
Sol maiorsolsimi
Lá maiorsidomisol

No círculo de quintas o modo lídio é o primeiro a ser representado: lídio, jônico, mixolídio, dórico, eólico, frígio e lócrio. Seguindo as escalas em fá, lídio não possui acidentes e cada modo do círculo possui um acidente a mais que o anterior.

Modo mixolídio

Mixolydian

O último modo maior era preferido na Germânia (Alemanha antiga), mas no mundo egeu era definido como uma mistura dos modos lídio e dórico.

Esse módulo é equivalente ao modo jônico executado a partir do quinto grau e possui todos os intervalos justos ou maiores, exceto a sétima. Por isso a sétima menor é chamada de sétima da dominante (dominante é o quinto grau):

TomⅠJⅡMⅢMⅣJⅤJⅥMⅦm
Dó maiormisolsi
Fá maiorsolsimi
Sol maiorsolsimi
Lá maiorsidomisol

As escalas de sétima da dominante são as usadas para a criação de escalas bebop.

Modo dórico

Dorian

O primeiro dos modos menores é equivalente ao modo jônico evoluído a partir do segundo grau e era preferido na Dóride, na Grécia. Os árabes o chamam Maqam Rast, e é a escala principal daquela escola.

Como modo menor, é definido pela presença da terça menor, porém possui uma sexta maior perturbando sua modalidade. É formado pela sobreposição de dois tetracordes tom, semitom, tom:

TomⅠJⅡMⅢmⅣJⅤJⅥMⅦm
Dó menormisolsi
Fá menorsolsimi
Sol menorsolsimi
Lá menorsidomisol

Modo frígio

Phrygian

O modo frígio consiste em modular a escala diatônica pela terça do modo jônico e era preferido na Frígia, região central da Anatólia (Turquia). Na escola árabe é chamada Maqam Bayat.

O modo frígio é caracterizado por possuir todos os intervalos justos ou menores:

TomⅠJⅡmⅢmⅣJⅤJⅥmⅦm
Dó menormisolsi
Fá menorsolsimi
Sol menorsolsimi
Lá menorsidomisol

Modo Eólico

Aeolian

O último dos modos menores é o relativo do modo jônico, assim chamado por ser modulado a partir da relativa (sexto grau) da tônica jônica.

Era o modo preferido na Eólia, litoral noroeste da Turquia. É chamado Maqam Nahuand na escola árabe.

Possui apenas a pós-tônica (segundo grau) maior, todos os demais intervalos são justos ou menores:

TomⅠJⅡMⅢmⅣJⅤJⅥmⅦm
Dó menormisolsi
Fá menorsolsimi
Sol menorsolsimi
Lá menorsidomisol

O modo moderno: lócrio

Locrian

Havia seis modos gregos, um para cada grau da escala diatônica, exceto um: a sensível do modo jônico.

Foi assim porque a escala criada por esse grau não possui uma quinta justa, o que compromete a tonalidade da escala.

Ainda assim, teóricos da música criaram uma escala artifical a partir desse grau, chamada modo lócrio, que ficou confinada aos estudo acadêmicos até o século XX, quando começou a ser usada no jazz e na música clássica moderna.

Consiste em todos os graus menores e a quinta diminuta:

TomⅠJⅡmⅢmⅣJⅤ°ⅥmⅦm
Dó diminutomisolsi
Fá diminutosolsimi
Sol diminutosolsimi
Lá diminutosidomisol

Escalas exóticas

A partir do estudo dos modos gregos da escala diatônica, surgiram outras escalas, cujos intervalos não se encaixam na sequência diatônica em nenhuma ordem, apesar de derivarem dela.

Essas escalas são chamadas exóticas. As mais usadas são a clássica menor, a nordestina (lídio ♭7), as ciganas, a superlócria e alguns maqamat árabes um pouco diferentes.

Há também escalas exóticas com mais ou menos de sete graus, como a escala de blues e as escalas bebop.

Mas esse será assunto para outro artigo.

Jônia